Vascular Pro

Subscrever feed Vascular Pro
Clinica de cirurgia vascular, angiorradiologia, endovascular, ecodoppler vascular, angiologia e radiologia intervencionista. Tratamento de varizes com laser.
Atualizado: 1 hora 10 minutos atrás

O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal

seg, 04/22/2019 - 12:13
Aneurisma de Aorta Abdominal

Quando se investiga uma doença no paciente que não tem sintomas deve-se eticamente considerar que:

  • A doença tenha alta taxa de mortalidade.
  • O exame utilizado para o diagnóstico seja bem aceito pelo paciente, eficaz e de custo razoável.
  • principalmente  que o tratamento da doença diagnosticada na fase pré-sintomática faça diferença real na vida da pessoa. (ou seja, não adianta achar doenças que não necessitem de tratamento, ou que não mudem o prognóstico)

 

As duas principais organizações no mundo que definem as orientações para o rastreamento de doenças no paciente assintomático (check-up) são a U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF) e a Canadian Task Force on Preventive Health Care (CTFPHC). São forças tarefas com diversos especialistas que revisam as melhores evidências científicas e determinam que exames devam ser realizados e em quais indivíduos.

Novamente na última recomendação da USPSTF publicada em 2014 a investigação do aneurisma da aorta abdominal é fortemente recomendada nos homens idosos (de 65 a 75 anos) fumantes.

Outros fatores de risco para essa doenças além do envelhecimento são:  doenças das artérias coronarianas, doença cerebrovascular, colesterol elevado, obesidade, hipertensão arterial e história de outros aneurismas.

O exame para a detecção é a ultrassonografia com doppler, que é fácil de ser realizado, não traz desconforto para o paciente e apresenta alta sensibilidade (94% a 100%) e especificidade (98 a 100%), ou seja,  detecta com segurança esse problema.

A grande vantagem do diagnóstico precoce do aneurisma da aorta abdominal é que a taxa de mortalidade na cirurgia eletiva é ao redor de 5% e na cirurgia de urgência de 21 a 76%. Ou seja, descobrindo cedo, tratando cedo com o cirurgião vascular, melhores prognósticos.

Fizemos um projeto no passado com um modelo de Check-up Virtual online, que chegou a ganhar prêmio Dr Cidadão.

 

Referências:

 

Moraes, IN Tratado de Clínica Cirúrgica

Amato, MCM, Manual do Médico Generalista na Era do Conhecimento

Internet Citation: Clinical Summary: Abdominal Aortic Aneurysm: Screening. U.S. Preventive Services Task Force. October 2014.

uspreventiveservicestaskforce

Um artigo do nosso colega e geriatra Dr Marcos Galan Morillo.Anatomia: 

Artérias

Causa: 

Aterosclerose, degenerativo, infeccioso, congênito

Diagnóstico Diferencial: 

Doença arterial oclusiva

Fatores de Risco: 

Tabagismo
Hipertensão

Evolução Natural: 

A tendência dos aneurismas é crescer até, em algum momento, romper. Mas a velocidade de crescimento é muito importante, pois se crescerem lentamente e sendo pequenos, podem ser apenas acompanhados com observação e tratamento clínico.

Prevenção Primária: 

Não fumar, tratar hipertensão, tratar outras comorbidades

Sinais ou Sintomas: 

A maioria não tem sintomas, mas quando rompem podem causar choque e óbito

Tratamentos Possíveis: 

Cirurgia aberta de aneurismectomia
Cirurgia Endovascular de exclusão de aneurisma
Tratamento clínico

Complicações Possíveis: 

Ruptura, oclusão, embolização distal

Código: I71 Select ratingGive O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 1/5Give O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 2/5Give O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 3/5Give O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 4/5Give O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 5/5 Sem avaliações vascularaneurismageriatriaprevenção
Categorias: Medicina

Perda da visão

seg, 04/15/2019 - 12:31

Causas vasculares de perda da visão
 

Tags: sintomas Select ratingGive Perda da visão 1/5Give Perda da visão 2/5Give Perda da visão 3/5Give Perda da visão 4/5Give Perda da visão 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Dor de cabeça

seg, 04/15/2019 - 12:27

Existem mais de 200 tipos de dor de cabeça. Seus sintomas de dor de cabeça podem ajudar o médico a determinar a causa e o tratamento adequado. A maioria das dores de cabeça não é resultado de uma doença grave, mas algumas podem resultar de uma condição com risco de vida que requer cuidados de emergência. Causas de dor de cabeça são muitas, entre elas:

  • Estresse
  • Calor
  • Dormir mal
  • Alguns Alimentos
  • Postura incorreta
  • Cheiros fortes
  • Esforço exagerado
  • Dor de cabeça tensional
  • Enxaqueca
  • Sinusite
  • Cefaléia em Salvas
  • Cefaléia Tensional
  • Cefaléia pós coito
  • Hemicranias paroxísticas
  • Sinusite aguda
  • Coágulo de sangue (trombose venosa) dentro do cérebro
  • Aneurisma cerebral
  • Cérebro com malformação arteriovenosa ou uma formação anormal de vasos sanguíneos do cérebro
  • Tumor cerebral
  • Intoxicação por monóxido de carbono
  • Síndrome de Arnold-Chiari (malformação rara e congênita do sistema nervoso central)
  • Concussão
  • Desidratação
  • Problemas dentários
  • Otite
  • Encefalite
  • Arterite (inflamação do revestimento das artérias)

  • Glaucoma
  • Ressaca
  • Gripe
  • Rupturas de vasos sanguíneos no cérebro
  • Medicamentos para o tratamento de outras doenças
  • Meningite
  • Uso excessivo de medicação para a dor
  • Ataques de pânico
  • Síndrome pós-concussão
  • Pressão na cabeça por conta de chapéus apertados, capacetes ou óculos de proteção
  • Aumento da pressão no interior do crânio
  • Toxoplasmose
  • Neuralgia do trigêmeo.
Tags: sintomasclínica Select ratingGive Dor de cabeça 1/5Give Dor de cabeça 2/5Give Dor de cabeça 3/5Give Dor de cabeça 4/5Give Dor de cabeça 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Arterite temporal

seg, 04/15/2019 - 12:13
Arterite temporal

A arterite temporal (AT) é uma vasculite considerada emergência médica, pois se não for tratada pronta e corretamente pode causar cegueira permanente em até 20% dos pacientes.

O que é a arterite temporal?

Também chamada de arterite de células gigantes ou vasculite necrotizante é uma inflamação das artérias do sistema carotídeo, particularmente as artérias cranianas.

Qual a população mais suscetível?

A arterite temporal ocorre principalmente em idosos com mais de 70 anos e é um pouco mais comum nos indivíduos de pele branca e do sexo feminino.

Quais os sintomas da arterite temporal?

Em 70 a 90% dos pacientes o sintoma inicial é uma dor de cabeça latejante e continua na região temporal (parte lateral anterior do crânio ou “têmporas”).

Ocorre também diminuição, turvação e/ou perda fugaz da visão.

É comum esse quadro ser precedido de dor muscular e fraqueza na região dos ombros e membros superiores (polimialgia reumática).  Febre baixa e inapetência também podem estar presentes.

Como é feito o diagnóstico?

Após a suspeita clinica deve-se palpar a artéria temporal (foto) que pode estar mais grossa, dolorosa e com a pulsação ausente ou diminuída. Às vezes a dor piora com movimentação da mandíbula.  O exame que define do diagnóstico é a biópsia da artéria temporal que deve ser feita por um cirurgião vascular nas primeiras 48horas e analisada por um patologista.

O exame de hemossedimentação (VHS) é muito elevado (>100) e reforça o diagnóstico.

Qual o tratamento?

Para prevenir a cegueira o tratamento com corticosteroides deve ser iniciado assim que houver a suspeita clinica e em doses efetivas. Se não for possível realizar a biópsia prontamente o tratamento não deve ser adiado, mas a biópsia da artéria é o exame padrão ouro para confirmar o diagnóstico e determinar o tempo de tratamento.

 

 

Um artigo do nosso colega e geriatra Dr Marcos Galan Moriilo.

 

Bibliografia: Palheta Neto, F. X., Carneiro, K. L., Rodrigues Junior, O. M., Rodrigues Junior, A. G., Jacob, C. C. D. S., & Palheta, A. C. P. (2008). Aspectos clínicos da arterite temporal. Arq. Int. Otorrinolaringol. (Impr.), 12, 546–551. Retrieved from http://www.arquivosdeorl.org.br/conteudo/acervo_port.asp?id=570

Anatomia: 

Artéria temporal

Causa: 

Autoimune ou desconhecido

Diagnóstico Diferencial: 

problemas odontológicos, neuralgia do trigêmeo, sinusites, otites, alterações nos vasos sangüíneos ou músculos dos oculares, entre outras várias causas de cefaléia 

Epidemiologia: 

A Doença de Horton é a vasculite mais prevalente em adultos acima de 50 anos, com pico de incidência entre os 70 e os 80 anos, sendo esta de cerca de 200 casos por 100.000 habitantes, especialmente em idosos, e a média de idade de 72 anos, com grande variação de país a país. As mulheres têm de 2 a 6 vezes mais chances de serem acometidas do que os homens, provavelmente devido a fatores hormonais, contudo observou-se que o predomínio do sexo feminino está associado à polimialgia reumática e não na sua forma pura. O percentual também é maior em pessoas com histórico de tabagismo. A doença não tem alta preferência por tipo racial, porém é ligeiramente superior em caucasianos, especialmente entre os descendentes escandinavos, o que provavelmente, está relacionado com a distribuição do antígeno HLA-DR4 entre as raças 

Sinais ou Sintomas: 

Sintomas sistêmicos incluem febre, adinamia, inapetência, perda de peso e mialgias inespecíficas, principalmente pela manhã, com rigidez do pescoço e da musculatura da cintura escapular e pélvica, além de sudorese noturna e anorexia.
A claudicação da mandíbula é um sintoma clássico da doença. O paciente tem dor quando mastiga ou conversa mais prolongadamente, melhorando com o repouso, ocorrendo nos casos em que há comprometimento da artéria facial. A claudicação dos músculos da língua e da deglutição e espasmos dos músculos da mastigação, denominado de trismo também pode ocorrer.
As manifestações oftalmológicas são diversas, dentre as quais destaca-se a neuropatia óptica isquêmica anterior (NOIA), constituindo uma das mais graves e mais comuns seqüelas da doença, tendo sido relatada entre 7% e 60% dos pacientes.
Defeitos campimétricos e cegueira cortical.
Dentre as manifestações neurológicas, a principal queixa é a cefaléia, sendo a manifestação cardinal da ACG e a queixa que mais freqüentemente leva o paciente ao médico: Dor intensa, persistente, unilateral ou bilateral, na região temporal e até mesmo occipital, lancinante ou pulsátil, com períodos de exacerbação, apresentando tumefação, amolecimento e hipersensibilidade na região temporal, em cerca de 25% dos casos. Alguns relatam dor em qualquer parte da cabeça ou difusamente, como na cefaléia por contração muscular.
Depressão, confusão mental, demência, psicose; infarto ou hemorragia cerebral, episódios isquêmicos transitórios; ataxia, tremor, surdez, tinitus, vertigem (manifestações relacionadas à artéria facial); paralisia facial; síncope, convulsões, meningismo, diabetes insípido; mielopatia transversa e neuropatias periféricas.
As principais manifestações otorrinolaringológicas são tosse seca persistente, odinofagia, disfonia, parestesias e claudicação linguais, zumbidos, glossite, isquemia e necrose linguais, e disacusia neussensorial, que pode variar da forma leve até a surdez, caso o tratamento não seja efetuado devidamente 

Prognóstico: 

O prognóstico da doença, quando bem tratada, é bom. A sobrevida dos pacientes não é diferente da população em geral com a mesma faixa etária. Com tratamento, a maioria dos indivíduos atinge a remissão completa; contudo, a perda da visão pode ser irreversível. Se a artéria aorta ou alguma de suas tributárias estão envolvidas, o prognóstico pode ser pior, pois esses vasos podem se alargar e até mesmo romper. Porém, a maior parte das complicações relacionadas à arterite de células gigantes é causada mais pela terapia com hormônios esteróides do que pela doença propriamente dita 

Tratamentos Possíveis: 

O tratamento de pacientes com arterite temporal é fundamental para evitar a perda da visão e a terapia deveria ser iniciada baseada na suspeita clínica, não nos resultados da biópsia. Utiliza-se um tipo de corticosteróide para o tratamento clínico. O principal objetivo da corticoterapia é a prevenção da cegueira, principalmente quando um dos olhos já foi atingido, ou de outras graves complicações da doença. 

Complicações Possíveis: 

Cegueira

Código: M31.5 Select ratingGive Arterite temporal 1/5Give Arterite temporal 2/5Give Arterite temporal 3/5Give Arterite temporal 4/5Give Arterite temporal 5/5 Average: 3 (1 vote) geriatriavasculararteritereumatologia
Categorias: Medicina

Varizes passa de pais para filhos?

qua, 04/10/2019 - 08:26

Isso é a mais pura verdade, na maioria dos casos varizes são hereditárias, são as chamadas varizes primárias. É claro que nem todos desenvolverão a os problemas da falha da bomba periférica, como dor nas pernas, inchaço/edema, coceira, eczema de estase, dermatite ocre (deposição de hemossiderina), lipodermatoesclerose (endurecimento da pele e subcutâneo), varicorragia (sangramento pelas varizes), úlceras venosas e varizes.
O fato de ter parentes com varizes ou problemas venosos aumenta a probabilidade de ter também, porém não significa que terá. Também o fato de ter varizes não significa que seus filhos terão, embora eles tenham uma probabilidade maior do que a população em geral.
O defeito genético não está completamente elucidado ainda, sendo multifatorial e com herança indefinida, um estudo mostra que é passado aos filhos em 90% dos casos se pai e mãe tiverem a doença; caso somente um dos dois possua a doença, há um risco de 62% em mulheres e 25% em homens; caso nenhum dos dois genitores possua a doença, ainda há um risco de 20%.

Fonte: https://www.veins.co.uk/
Berard A, Abenhaim I, Platt R, et al. (2002) Risk factors for the first time development of venous ulcers of the lower limb: The influence of heredity and physical activity. Angiology 53:647-657
David L. Rimoin, MD, PhD, J. Michael Connor, Reed E. Pyeritz, MD, PhD and Bruce R. Korf, MD, PhD Emery and Rimoin's Principles and Practice of Medical Genetics e-dition, 5th Edition, Churchill Livingstone, 2007

varizes
Categorias: Medicina

Coceira nas pernas

qua, 04/10/2019 - 08:24

Suas pernas estão coçando? Quer saber quais são as possíveis causas de coceira nas pernas? Pernas que coçam podem ter várias causas:

  • Doenças
    • Insuficiência Venosa Crônica
      • Eczema
    • Lipedema
    • Alergia
    • Dermatite
      • Dermatite de contato
      • Dermatite atópica
    • Urticária
    • "Pele seca" / "Pele ressecada" / Xerose
    • Escabiose (sarna)
    • Doenças do fígado
      • tumores
      • cirrose biliar primária
    • Picada de inseto
      • estrófulo
    • Neuropatia diabética
    • Líquen plano
    • Falta de higiene
    • Fungos
      • tinea cruris
Tags: sintomasvascularcoceira Select ratingGive Coceira nas pernas 1/5Give Coceira nas pernas 2/5Give Coceira nas pernas 3/5Give Coceira nas pernas 4/5Give Coceira nas pernas 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

ClaCs

sab, 04/06/2019 - 21:56

Na última década diversas tecnologias amadureceram e passaram a integrar o arsenal terapêutico venoso.

Há muito se sabe que nenhuma técnica única é perfeita para o tratamento de todas as teleangiectasias, reticulares e varizes.

Não existe pílula milagrosa, ou pomada mágica.

Cada técnica é mais adequada para determinado tipo de vaso, e, por isso o planejamento terapêutico é essencial, e não pode ser escolhido como se escolhe diferentes marcas de shampoo.

O grande segredo está em identificar a melhor técnica para determinado tipo de lesão e paciente, o que deve ser realizado pelo cirurgião vascular.

Por exemplo, um paciente pode ter alguma contra indicação ou aversão a certo tratamento, que para outro pode ser o ideal.

Portanto, não existe a “receita de bolo”, um padrão que funciona para todo mundo, e deve ser personalizado pelo cirurgião vascular seguindo as características e necessidades de cada paciente.

Os aparelhos, tecnologias e métodos existentes são nada mais do que ferramentas na mão de um artista, que deve escolher a mais adequada para o objetivo do tratamento.

Imagine um pincel na mão de Leonardo da Vinci e o mesmo pincel na mão de outro mortal qualquer, o resultado será sempre diferente. Assim como tenho certeza que Leonardo talvez não conseguisse fazer sua melhor obra de arte usando um computador.

O uso que se faz das ferramentas é mais importante do que a ferramenta em si para o resultado final.

Porém, novas ferramentas, após adequada avaliação podem apresentar resultados mais consistentes, reprodutíveis e com menos riscos, e devemos sempre que possível acrescentá-los à pratica.

A associação de métodos no tratamento dos vasinhos há muito tempo é vista como uma alternativa mais eficaz para o tratamento, utilizando diferentes técnicas para diferentes vasos.

Ao associar métodos, aumenta-se a eficácia, sem atingir limites perigosos.

O CLaCs é acrônimo para CrioLaser e CrioEsclero, duas técnicas que quando associadas se potencializam.

O Criolaser consiste na aplicação de anestesia pelo frio e laser, ou seja a diminuição da temperatura local para atingir estado de ausência ou minimização de dor, a crioanestesia, além da proteção do calor gerado pelo laser.

No momento em que a anestesia pelo frio é atingida, é feito o disparo do laser que causa lesão térmica no vaso.

Após isso é realizado a crioesclero, que consiste na injeção de glicose, substância tradicional para a escleroterapia, mas nesse momento congelada a quase -30˚C.

A glicose congelada, causa dano térmico ao vaso, agora não pelo calor, mas pelo frio, e também dano osmolar pela sua alta concentração. Potencializando assim o efeito do laser inicial e trazendo resultados mais rápidos.

A glicose sozinha é muito segura, mas com potencial baixo de esclerosar os vasos. Sozinha, requer dezenas de sessões para funcionar.

Todo o procedimento é guiado por técnica de realidade aumentada, ou seja, a projeção na própria pele do paciente de suas veias, agora captadas por aparelho dedicado de infravermelho, o flebovisualizador.

Com o procedimento guiado pelo infravermelho e utilizando criolaser associado à crioesclerose, aumenta-se a gama dos vasos passíveis de serem tratados sem cirurgia, com menos dor e menos picadas.

A técnica não elimina a necessidade de cirurgia em alguns casos, mas aumenta a quantidade de vasos que podem ser tratados e com menos sessões.

A flebosuite consiste no local onde o procedimento é realizado, deve ser local de alta luminosidade, com os equipamentos necessários para congelar o ar e a glicose, e equipamento de laser e realidade aumentada para visualização de vasos difíceis.

Outros equipamentos que podem fazer parte da sala de procedimentos é a radiofrequência, termocoagulação, flebovisualizadores, lupas e outros.

Tags: clacsvenosotratamentolaser Select ratingGive ClaCs 1/5Give ClaCs 2/5Give ClaCs 3/5Give ClaCs 4/5Give ClaCs 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Cruzar as pernas quando sentado causa varizes?

sab, 04/06/2019 - 21:44

Cruzar as pernas aumenta momentaneamente a pressão nas veias superficiais, mas isso não parece ser um fator importante no desenvolvimento dos vasinhos na maioria das pessoas.

 

varizes
Categorias: Medicina

Vasinhos ocorrem apenas em mulheres?

sab, 04/06/2019 - 21:44

Homens não são imunes, mas as mulheres procuram mais o tratamento por causa estética. Teleangiectasias em homens são mais visíveis, maiores e mais escuras, e, quando procuram conselho médico freqüentemente é por sintoma como dor ou desconforto.
Na prática o que acontece é que os homens procuram o tratamento tardiamente, frequentemente em fase mais avançada da doença.

 

varizes
Categorias: Medicina

Dieta e Exercício previnem vasinhos?

sab, 04/06/2019 - 21:41

A principal causa de teleangiectasias e veias reticulares, os chamados vazinhos é a genética, como já elucidado previamente, sendo a gravidez e periodos prolongados de pé fatores agravantes.
Manter o peso ideal ajuda a prevenir uma pressão desnecessária em membros quando de pé, mas dieta e exercício não são fatores diretos.
Portanto, dieta e exercício físico ajudam a prevenir a obesidade, essa sim fator de risco de varizes e vasinhos.

varizes
Categorias: Medicina

Sem tratar, vasinhos se tornam varizes grandes ?

ter, 04/02/2019 - 08:52

Os vasinhos em si não se transformam em grandes varizes, porém, como já dito anteriormente, podem alertar para um problema maior, como uma insuficiência venosa e, nesse caso, se não tratar, as veias podem se tornar varicosas. Por isso a importância de tratar os vasinhos com o cirurgião vascular, que se preocupa com o paciente por inteiro e não apenas com o aspecto estético. Sendo uma doença que apresenta um aspecto estético, é necessário tratar a doença e, assim, ter a possibilidade de resolução estética.

varizes
Categorias: Medicina

O pé diabético tem cura?

ter, 04/02/2019 - 08:44

O pé diabético não tem cura, mas na realidade é possivel controlar o problema na maioria das vezes, desde que haja muita dedicação do paciente. Somente as orientações médicas e remédios não são suficientes, é preciso comprometimento do paciente com o tratamento. Cuidados com os pés diabéticos.

pé diabético
Categorias: Medicina

Como é feito o tratamento do pé diabético?

ter, 04/02/2019 - 08:42

É imprevisível a evolução das lesões nos diabéticos, particularmente quando se associam à polineuropatia, à vasculopatia e às infecções.
É necessário o controle rigoroso da glicemia através da dieta e de insulina ou hipoglicemiantes orais, bem como da limpeza diária e tratamento precoce das lesões - o mais imediato possível.
A cirurgia arterial direta, a simpatectomia e o desbridamento das lesões são possibilidades que podem ser indicadas pelo médico. Muitas vezes é necessário a associação de vários tratamentos.
Veja os cuidados necessários com o pé diabético.

pé diabético
Categorias: Medicina

Como é feito o diagnóstico do pé diabético?

seg, 04/01/2019 - 17:04

O diagnóstico é feito pela história clínica (anamnese) e pelo exame físico da lesão por um médico competente. A lesão, quando avançada, geralmente é indolor porém extensa e de odor extremamente desagradável devido à necrose úmida que provoca.
Casos mais avançados, como o pé de Charcot, ocorre fraturas e deslocamentos dos ossos dos pés e/ou tornozelo que ocorrem como resultado de pequenos traumatismos também chamado de "articulação de Charcot".

pé diabético
Categorias: Medicina

Quais são os sintomas do pé diabético?

seg, 04/01/2019 - 17:01
  • Desaparecimento ou diminuição dos reflexos do tendão, das rótulas e do calcanhar são freqüentes,
  • Diminuição na sensibilidade de temperatura e dor e áreas de anestesia explicam as lesões,
  • Mau cheiro exalado pela gangrena diabética e infecção.
pé diabético
Categorias: Medicina

O controle da diabetes é importante?

seg, 04/01/2019 - 17:00

Sim, ficou comprovado que ocorre queda nas taxas de hemoglobina glicosilada, e esta é utilizada exatamente para medir o controle da diabetes no paciente.

pé diabético
Categorias: Medicina

Varizes é somente um problema estético?

seg, 04/01/2019 - 16:06

Varizes é uma doença, que tem um componente estético. Além de incomodar na aparência, também pode levar a sérias complicações.
A partir do momento em que passa a causar sintomas, como inchaço, dor nas pernas, cãibras, sensação de peso, cansaço vespertino em membros inferiores, hiperpigmentação (manchas), dermatite ou eczema (coceira e descamação) deixa de ser um problema somente estético. Tanto a doença como o problema estético podem ser tratados.

varizes
Categorias: Medicina

As varizes podem voltar mesmo após a cirurgia?

qui, 03/28/2019 - 22:17

As mesmas veias, se foram efetivamente tratadas, ou seja, se a cirurgia for bem feita, não voltam, entretanto, outras veias doentes podem aparecer com o tempo. Isso é normal, pois tratamos a conseqüência e não a causa primária.

A causa é genética, e, para isso, ainda não há cura definitiva. Pode ser necessário uma "manutenção" periódica do tratamento das varizes, para evitar acumular muito e necessitar outro grande tratamento.

varizes
Categorias: Medicina

Gravidez causa varizes?

qui, 03/28/2019 - 22:12

Não, somente mulheres com refluxo venoso (ex: dano valvular) ou genética para a doença antes da gravidez apresentam varizes depois do parto ou durante a gestação. Então não é a causa das varizes, mas sim da piora se já houver um problema valvar prévio. 
Durante a gravidez ocorre um aumento de 40% do volume sangüíneo, aumentam também os hormônios que mudam os tecidos dos vasos sangüíneos, esticando-os e os vasos que ali estavam podem ficar mais aparentes. Mas apareceriam de qualquer forma, cedo ou tarde, independente da gestação. Porém algumas mulheres podem ter varizes por causa da gravidez, mas é um grupo menor que possui síndrome da congestão pélvica e passam por um parto normal. Podendo ter também varizes vulvares ou de coxa proximal.
Portanto a cirurgia de varizes com sintomas no intervalo de duas gestações não só é possível, como recomendável. Agora, com o advento da cirurgia de varizes com laser, um procedimento que pode ser feito com anestesia local com alta precoce, ficou mais evidente ainda o benefício do tratamento também precoce e minimamente invasivo.
Se você tem varizes e está pensando em engravidar, não precisa parar o tratamento das varizes enquanto não engravidar. 
Se você tem varizes e descobriu que está gravida, o melhor é passar para o tratamento clínico de varizes enquanto durar a gestação.
Cordts, P R, and T S Gawley. "Anatomic and Physiologic Changes in Lower Extremity Venous Hemodynamics Associated with Pregnancy." Journal of vascular surgery : official publication, the Society for Vascular Surgery [and] Internationa Society for Cardiovascular Surgery, North American Chapter 24, no. 5 (1996): 763-7.
Sparey, C, G Sissons, N Haddad, S Rosser, and L de Cossart. "Serial Colour Flow Duplex Scanning of the Veins of the Lower Limb Throughout Pregnancy." British journal of obstetrics and gynaecology 106, no. 6 (1999): 557-62.
Sparey, C, N Haddad, G Sissons, S Rosser, and L de Cossart. "The Effect of Pregnancy on the Lower-Limb Venous System of Women with Varicose Veins." European journal of vascular and endovascular surgery : the official journal of the European Society for Vascular Surgery 18, no. 4 (1999): doi:10.1053/ejvs.1999.0870.

varizes
Categorias: Medicina

Para que operar varizes se elas vão voltar ?

ter, 03/26/2019 - 21:22

Inicialmente, devemos focar na bomba periférica, responsável pelo retorno venoso, e não somente nas veias varicosas. O ecodoppler é o melhor exame para avaliar a função da musculatura.
Operar sem o mapeamento venoso é possível, porém não é recomendável, pois a cirurgia se baseará somente no aspecto estético, e portanto, com um maior risco de recidiva.
Poucos cirurgiões se mantém atualizados nas últimas técnicas desenvolvidas e muitas vezes a cirurgia é realizada por residentes levando a índices de recidiva de 23% em 1 ano e 76% em 5 anos.
Utilizando as técnicas modernas a recidiva também ocorre, mas não em veias pré existentes, mas sim, em novas veias varicosas (3-4%)

varizes
Categorias: Medicina

Páginas

Não perca Frases do Einstein selecionadas a dedo.

Conhece alguma frase legal? Envie-nos.

Vote agora nas frases e citações que você mais gosta.